Cloe Fenix

Arte de escrever – Pesquisas e identidades culturais

Pesquisas e identidades culturais

Sempre que escrevemos um livro novo, é muito importante identificar as identidades culturais de cada país, onde a cenas de desenrolam ou de onde são os personagens. Quem lê a sua obra, pode ser alguém que tem o mesmo conhecimento cultural que você, mas e se não for? Isso vai influenciar, o interesse do leitor pela obra? Vai fazer com que a mesma perca valor? Há muitas questões que podem ser colocadas, mas estes são pormenores que dão valor e credibilidade a sua obra.

Pesquisar

A pesquisa é um ponto fundamental em qualquer obra, seja uma banda desenhada, um roteiro, um livro… ter uma referência é muito importante, pois ajuda a criar uma ligação entre o leitor e a obra. Quanto mais aproximado a obra é da realidade, mas as pessoas se conseguem associar a ela e estabelecer um contacto real, que faz o leitor ansiar por mais obras. No entanto, a pesquisa deve ser feita de forma consciente, bem como a utilização dela na sua obra. Uma boa pesquisa é fundamental, mas uma pesquisa mal-usada, é o mesmo que nenhuma pesquisa.

Identidade cultural

Atribuir uma identidade cultural a uma pessoa ou cenário é bastante importante, pois dá mais caracter a obra. Além de lhe atribuir vida, torna-la engraçada e mesmo chamar a atenção de várias pessoas. Pense sempre que não está a escrever um livro para si, mas sim para o mundo. Porque nunca vai saber até onde a sua obra vai chegar, a quantos quilómetros de si vai estar o seu leitor. Já pensou o que seria ler uma obra com referência ao país onde se encontra e perceber que tudo o que está escrito, é uma especulação. Como se sentiria ler algo sobre o seu país, o país que tanto ama e conhece bem e lhe dizerem algo que não faz sentido. Como se sentiria, se a visão sobre a tua terra fosse distorcida, irrealista, maldosa, insultuosa…. Continuava a ler o livro? Recomendava-o a alguém? A uns anos, fiz parte de uma empresa que me ensinou algo fundamental sobre o atendimento ao publico.

“Um cliente bem atendido, trás mais 10 na sua volta. Um cliente mal atendido, leva 10 clientes embora”

A frase não era dita bem por estás palavras, mas o sentido era este. Sempre que alguém se sente satisfeito com algo, instintivamente ela vai falar e recomendar. Esta é a melhor técnica de marketing conhecida, é a técnica que se faz naturalmente, sem custos, que aumenta e muito a nossa credibilidade. Porque quem não o conhece ou conhece mal, não vai acreditar nas suas palavras e sim nas palavras de quem conhece e confia. Mesmo uma grande marca, pode perder com um marketing pessoal mal feito. Se alguém criticar uma grande cadeia alimentar, como a Mc Donald’s, é normal que se sinta inseguro de lá voltar. Principalmente se a critica for sobre algo que você normalmente não vê, como a cozinha, os locais de armazenamento dos alimentos ou mesmo a limpeza. Pode ser estranho estar a comparar uma empresa, como a Mc Donald’s, com um simples livro. Apesar que o marketing, funciona da mesma forma independentemente do produto.

Por isso, ter um bom produto final é absolutamente fundamental. E para isso, é necessário recorrer aos mais diversos canais de pesquisa que temos. Seja pela internet, televisão, rádio, ou mesmo através das pessoas que conhecemos.

Que diferenças culturais encontramos?

É normal encontramos diversas diferenças culturais, entre os diversos países, mas também as podemos encontrar dentro do próprio país. As diferenças culturais não são só a nível de alimentação ou tradições, muitas vezes elas também estão associadas a comportamentos e atitudes.

Em Portugal por exemplo:

Portugal tem uma grande cultura gastronómica com influências mediterrânias. O prato mais tradicional e conhecido é o bacalhau, principalmente porque é um peixe que pode ser facilmente conservado em sal, o que faz que tenha uma data de validade muito longa. Este alimento foi muito importante na época dos descobrimentos, pois era um alimento que os navegadores podiam ter, sem que se estragasse facilmente. Da mesma forma que o mesmo entrou no país, porque a população não tinha dinheiro para comprar peixe fresco com frequência, nem como o conservar sem o consumir logo.

Um dos doces mais conhecidos pelos turistas é o pastel de nata ou pastel de belém. Visualmente não existe qualquer diferença entre eles, e mesmo em termos de sabor são praticamente idênticos, no entanto, o termo pastel de belém é apenas usado na zona de Lisboa em casas da especialidade ou em locais que oferecem essa especialidade fora da zona de Lisboa. Já no resto do país é conhecido como pastel de nata, tarde de nata, ou simplesmente nata.

Pelos vinhos Portugal é bastante conhecido pelos seus vinhos da zona do douro, principalmente o vinho do porto. No entanto, o tipo de vinho mais vendido, varia muito de zona para zona do país, uma vez que algumas zonas preferem mais o vinho tinto maduro e outra o vinho verde.

Portugal tem ainda uma das iguarias invulgares e curiosas para muita gente. Os caracóis ou caracoletas, são uma iguaria muito conhecida na zona sul de Portugal, sendo vendidas muitas vezes, como um petisco para acompanhar com a cerveja.

Portugal tem diversas opções gastronómicas características de determinadas zonas do país, no entanto, nem todas são praticadas ou usadas em todo o país ou então são consumidas em uma versão ligeiramente alteradas. Como por exemplo a carne de porco a alentejana e os rejões a moda do Minho, são pratos muito semelhante, mesmo em termos de sabor, mas com uma grande tradição cultural da sua terra.

Da mesma forma que os comportamentos e tradições mudam de zona para zona do país. A população do Norte é uma população muito ligada a tradições e costumes, ligados a terra, ao fabrico…. Podemos dizer que ao contrário do sul, o norte de Portugal é uma zona mais industrializada e popular. Tendo uma grande tradição em realizar grandes romarias, onde era frequentemente vendido gado e os alimentos da terra. Eram nestas festas, que os jovens encontravam a oportunidade de conhecer e cortejar as jovens mais livremente. 

Já o Sul tronou-se uma zona mais capitalista, conduzindo através das zonas de grande Lisboa e arredores, muitas das empresas que se encontram a operar pelo país. Enquanto no Norte, é habitual ver bastantes zonas verde e fabricas, o Sul é uma zona mais desprovida de vegetação verdejante. Repleta de escritórios, onde se negoceiam os mais diversos tipos de produtos e capitais. Esta característica de território organizacional é também influente na forma de falar e agir das pessoas. Podendo encontrar no Norte, pessoas mais frontais, acolhedores, que não tem medo de dizer o que pensar e usam palavrões com a mesma naturalidade que usam a palavra olá. Já o Sul é frequente encontrar um povo mais reservado, educado que consideram mais os palavrões, como uma ofensa e não um modo de falar. Bem como tem diferente expressões para a mesma coisa, no Norte o café expresso é chamado apenas de café, quando no Sul é conhecido como a bica.

Mesmo em termos musicais, existe uma grande diferença na música popular e tradicional. O fado português, muito ouvido pelo mundo principalmente graças a grande fadista Amália e ouvido mais frequentemente no sul. Sendo bastante tradicional das casas de Fado, o que não acontece na região norte, onde é mais conhecido o Rancho folclórico, uma música tradicional marcada pela sua vestimenta, dança e pelos cantares e instrumentos.

O mesmo se passa entre Portugal continental e as Ilhas, muito conhecidas pela forma de falar, pelo seu clima, gastronomia, tradições e costumes.

Se dentro de um pequeno país como Portugal existe tanta diferença cultural, então entre outros países vai existir muito mais e muitos delas mais marcantes. Pois algumas delas podem mesmo ser levadas como um insulto ou ofensa ou até ser considerado um crime. Um exemplo são os países árabes, onde a mão esquerda é considerada impura, usada apenas para higiene e nunca deve ser usada para cumprimentar, entregar objetos ou mesmo comer. Tal como recusar um alimento ou presente, pode facilmente ser considerado como falta de respeito em muitos países. 

Arrotar após uma refeição em vários países é algo rude, no entanto, existem países quem veem isso como um elogio. Mesmo em questões de higiene, o mundo muda com facilidade. Por isso, é fundamental estar atento.

Arte de escrever – Pesquisas e identidades culturais

Leave a Reply

Voltar ao topo
Cloe Fenix
%d bloggers like this: