Escrita Criativa

O que é a escrita criativa? Que regras devemos seguir? Que caminho devemos tomar? O que importa verdadeiramente? Basicamente não existe regras na criatividade, tudo flui pela nossa mente de forma livre, mas na escrita não funciona assim. Escrever um livro de sucesso não é nada fácil e requer muita dedicação, ainda mais num mercado tão saturado. A criação do desejo de se fundir numa nova história, numa fantástica aventura e mistério. O desejo por mais e mais, é verdadeiramente algo difícil de conseguir e esse sim é um verdadeiro dilema. Ser criativo não é fácil e desenvolver uma história de maneira atrativa também não.

Erros

O erro mais comum dos escritores amadores e que eu também já cometi inúmeras vezes. É deixar parte da história guardada, na nossa mente. Ninguém é capaz de entrar na nossa cabeça para tentar perceber a história. Não podemos ocultar a história em demasia, não podemos pressupor que tudo é explicito, quando não o é, mesmo assim deve existir algum mistério. Em tudo deve existir um yin e um yang, o equilíbrio perfeito e isso não é nada fácil de conseguir.

Então qual é o segredo para desenvolver a escrita criativa?

Basicamente o segredo está na história, na nossa própria obra e não só. Um escritor deve sobretudo, acreditar na sua obra e lutar por ela. Escrever sem erros, ter uma escrita fluída e de fácil leitura, sem o uso de palavras complicadas que a maioria dos leitores desconhece. Caso uso alguma palavra assim, o mais correto é esclarecer o leitor com uma pequena legenda. Não use abreviaturas, não escreva como está habituado a falar, leve em conta que o seu leitor pode ter uma cultura diferente. A sua língua não é falada em apenas um país, mesmo uma expressão que seja usada no seu bairro, aldeia ou cidade, pode não ser usada na cidade vizinha. Se nem mesmo as pessoas do nosso país entendem, como o mundo vai entender? Não esta a escrever apenas para si, nem para a sua família ou amigos, um escritor que quer ser escritor, tem de escrever para o mundo. E nunca, nunca desistir do seu sonho.

O que seria da J. K. Rowling, criadora da saga “Harry Potter”, se ela tivesse desistido na primeira tentativa?

J. K. Rowling

Ela tinha tudo para desistir da sua obra, divorciada, mãe solteira, na falência… a publicação da sua obra não era só um sonho, como também uma necessidade de sobrevivência. No entanto, o seu sucesso era também um tiro no escuro e o resultado é que ele foi rejeitado várias vezes até por fim ser aceite. Em apenas cinco anos ela mudou a sua vida por completo, deixou a pobreza para trás para se tornar numa multimilionária. A sua obra foi traduzida em várias línguas, esgotando livrarias no dia da estreia, foi adaptado para filmes. Quem seria ela hoje, se não acreditasse na sua obra?

Muitas das histórias mais conhecidas e mais vendidas, não são apenas fruto de uma imaginação fértil, como também fruto de muitas experiências vividas, personalidades distorcidas e histórias reais.

Fernando Pessoa

O poeta português Fernando Pessoa é um grande exemplo disso, possuindo uma personalidade única que deu vida a vários heterónimos, como Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Alberto Caeiro. Dando lhes vida não só no papel, como também assumindo a sua personalidade no dia-a-dia, o que confundia muitas vezes quem o rodeava.

Todos os escritores são diferentes e cada um produz uma obra única, escrita a sua maneira, com as suas ideias criativas e alucinantes. Que transportam quem as lê, para outro mundo, como se fosse um portal para outra era, outro tempo e lugar.

Então o que é a escrita criativa?

É uma oportunidade de transcrever em palavras, um desejo, um sonho, uma vida. É a nossa única oportunidade, de sermos os criadores de um novo mundo, onde tudo acontece e funciona, como um jogo para quem escreve. E é como uma verdadeira vivência, para quem o lê. É por isso, se quer escrever uma boa história, apenas tem de ter uma boa ideia. Dominar a sua ideia em todos os sentidos e depois, fazer um bom uso da gramática e da língua portuguesa e escrever com o coração.

Quando terminar, releia o seu livro e dê para alguém ler. Eles podem dizer-lhe se vai no bom caminho e o que entenderam do mesmo.

Um conselho pessoal: para ler o seu livro, use e abuse dos programas que transformam o texto em voz. Assim não corre o risco de saltar palavras na leitura, por se recordar do texto. Para além que tem uma perceção bem diferente, da forma que soam as palavras juntas.

 

Continua…

< Página Anterior … Próxima página >

 

Obrigada por visitar o meu site...

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this:
Ir para a barra de ferramentas